bio bio
disco disco
noticias noticias
entrevistas entrevistas
projetos projetos
poemas poemas
fotos fotos
downloads downloads
brasao brasao
contato contato
Grim
Faze o que tu queres deverá ser o todo da Lei. Al i 40

gemmifer

Ordo Templi Hiereus

The Grotesque Zine

The Grotesque Zine teria as edições 6 e 7 lançadas respectivamente, mas não sendo possivel devido a diversos fatores. Serão expostas aqui algumas matérias (somente como arquivo) da Arte Extrema.
Entrevista feita com CHRISTOPHE SZPAJDEL no ano 2000 da Era Vulgaris

ENTREVISTAS

Christophe Szpajdel, você com certeza já deve ter visto este nome em algum CD, Demo, 7’EP. Este artista é responsável por dezenas de logotipos em toda a cena tais como: Emperor, In Memorian, Old Man’s Child, Falkenbach, Covenant, Enthroned, Lacrimatum, Zoltar, etc.
Após meses e meses de tentativas e desencontros eis que finalmente conseguimos entrevistar este grande artista para se ter uma idéia. A intenção é a publicação desta entrevista no número #4 do The Grotesque Zine...
Confira então esta grande entrevista e saiba mais sobre a arte, os planos e paixão deste artista pela musicalidade de nossa cena.
  • O nome Christophe Szpajdel começou a ganhar repercussão ao meu ver, após o trabalho no logotipo do Emperor. Você consegue avaliar como foi e está sendo a repercussão de seu nome? Você imagina que tudo cresceria desse modo?

I – Christophe Szpajdel: Sabes, tudo começou em 1988 quando fiz o logotipo do Morbid Noise Compilation Tape. Já nestes tempos várias bandas pediram o meu apoio, mas isso não foi significativo, antes fiz o logotipo dos Emperor em 1992. Maleficarum da Itália no fim de 1991, e muitas outras bandas seguiram em breve: Enthroned, Covenant, In Memorian, depois de um artigo no Ornament Mag. E uma entrevista no Fear of Life Mag. em 1994.
Apenas que o Mag. foi nas mãos de bandas, muitas pessoas escreveram para obter logotipos, assim eu fui mais e mais demandado a desenhar logotipos.
Não pensei que meu nome seria tão popular. Vê nos cover de vários álbuns.

  • Apesar de estar ligado a basicamente desenhos e logotipos, você antes disso chegou a exercer alguma outra atividade de apoio a cena underground, como editorando um zine, ou a frente de uma distribuidora?

II - C.S.: Apesar dos logotipos estou ocupado/ impedido com muitas coisas. Tenho uma pequena distribuidora especializada no Metal Extremo. Gosto especialmente de distribuir Demos de Bandas Brasileiras como Sanatório, Disfor Terror, Mortal Profecia, Zoltar, Miasthenia, Rebaellium, Extremunção, Songe D’Enfer, mas gosto especialmente dos Rebaellium. Mesmo tentei arranjar alguns shows na Bélgica, mas pessoas foram implicadas nesta turnê: Nicky Neyah, Steve do Iconoclasm, Kris M. (Catafalque) e Jon Mertens da Ferrum Concerts, então se há outras bandas brasileiras que queiram ir na Bélgica fazer concertos viajando, há aqui uma boa oportunidade.
Sabes, agora tenho pouco tempo, mas estou a lançar/ ao menos preparar o lançamento do 1º número do Devil’s Elixir. Vai ser muito pesado para mais de 200 entrevistas feitas em três anos de tempo. Há bandas de Rio de Janeiro que convidei a colaborar comigo, Unearthly, Legion, Chesed Geburah, Angel of Light, Gradus Pentalphae, Ancestor, Chacina, Eric Maestus e muitas muitas mais outras.

  • Ainda nesse período, você chegou a trabalhar com a música (em uma banda, tocando algum instrumento) ou isso ainda não ocorreu? Você tem a intenção de trabalhar esse lado?

III - C.S.: Hé, já eu não tempo de tocar numa banda. Sabes, este trabalho com toda esta coisa agora tem a acabar este estágio em Estraburgo, pois vou fazer entrevista para um trabalho, eu não sei o que vai acontecer. Desculpe-me mas eu estou agora muito deprimido com tudo. Queria tocar numa banda extremamente DEPRESSIVA, mas não consegui arranjar músicos. Isso é só um sonho! Então não penso tocar numa banda. Tenho tantas coisas a fazer que...

  • Voltando aos logos uma outra característica também marcante, é o fato de que muitas bandas o qual tiveram seus logotipos por suas mãos tiveram um bom reconhecimento em seus países e no exterior. Você atribuiria parte desta aceitação ao trabalho realizado com o logotipo, ou essa importância que se dá não é tão grande assim?

IV - C.S.: Sabes, não só a banda que tem um bom logotipo vai conquistar o mundo. Precisa ser boa a música, com muita grade técnica, muito trabalho...
Isso não é fácil. Bandas precisam de trabalhar, de ensaiar muitas vezes, de fazer muitos shows...
Isso não vem com o dedo! O logotipo pode motivar a banda de ir longe no cenário.

  • Você não crê que pelo fato da repercussão de seu nome muitas bandas ao solicitarem sua arte, já atribuem a ela parte do reconhecimento que tanto almejam?

V - C.S.: Sabes, eu faço um logotipo para uma banda e depois há muitas que me escrevem com elogios. Foi a dez anos atrás mesmo, mas intenso que hoje o reconhecimento, se pude trabalhar anos e anos e pode vir assim, num dedo em movimento...
A chave para o país das maravilhas. O sucesso pode vir depois de anos de trabalho. Tens que mostrar os teus valores de DESENHADOR.

  • Agora nos diga, como foi trabalhar com bandas como Moonspell e Emperor, eles chegaram a dar alguma sugestão sobre como poderia ser seus logotipos?

VI - C.S.: Com o Moonspell as coisas acabaram muito mal, eles decidiram mudar de logotipo depois de um álbum e um MCD. Não quero falar disso porque fico já tão deprimido. Os Emperor tive uma boa impressão deles no início, mas agora também acho que são mais comerciais e que ficam mais com a Rock Star Atitude. Quando fui em contato com eles dez anos antes poderia falar com eles facilmente.
Os Moonspell disseram-me o que e que tipo de logo tive que fazer. Os Emperor, cheguei ao Samoth em 1992 uma surpresa no correio.

  • Tendo em vista a música que essas duas bandas faziam outrora é a que fazem hoje, você acha que se fosse basear por sua música hoje seus logotipos seriam como são? Afinal muita coisa mudou na sonoridade de ambos não acha?

VII - C.S.: Para fazer um logotipo de saber que estilo fazer, é muito importante que se faça uma comparação musica-logotipo numa maneira. Por exemplo nunca vou fazer um logotipo para uma banda grind com letras emocionais e vice versa, o estilo de música neste caso é uma coisa muito importante para definir o tipo de logotipo que vou fazer. Agora mesmo estou a pensar/ fazer logotipos muito melancólicos e obscuros, darkness, sadness... Tristeza, eterna saudades.
Agora, muitas bandas ficaram comerciais e prostituíram-se.
Penso: há bandas como Cradle of Filth que fizeram no início uma excelente demo e um excelente primeiro álbum Supreme Vampire Evil... Agora eles ficam mais e mais comerciais. Prefiro as vezes bandas como Songe D’Enfer, Grief of Emerald (SWE), Adágio, Misantrope (FRA), Your Shapeless Bealty (FRA), que tocam Majestic/ Epic Emotional Metal...
Cryptical Realm que toca Doom Metal muito profundo, com as mais doces vozes de raparigas, como nunca ouvi. Muito influenciado pelo folclore irlandês.

  • De nomes mais recentes como Falkenbach e Old Man’s Child com o qual já trabalhou, ouve a interferência das bandas ou lhes deram total liberdade para executar seu trabalho? Como você vê o crescimento e música de ambos?

VIII - C.S.: Falkenbach deram uma forma de idéia a seguir, eles quiseram bem especial influenciado pelas letras da mitologia escandinava, as rúnicas, a presença de dois corvos, lobos...
Pelo logotipo dos Old Man’s Child tive que seguir a minha própria imaginação, fiz um logotipo como eu tive a imaginação de fazer, o original, sempre majestic e obscuro.
Antes de executar os logotipos nunca ouvi-os, só depois. Ambas bandas ficam muito integras ao estilo de música que tocam.

  • Você simpatiza com a ideologia de bandas que já trabalhou? Qual a importância que você dá para esses aspectos? Você é bem crítico chegando a analisar a fundo os fundamentos da banda, se o que elas propõem tem algum sentido ou não? Ou por um outro lado isso não tem importância tão grande assim?

IX - C.S.: A banda tem muito aspectos importantes para mim, a musicalidade, o aspecto que deve ser obscuro, tenebroso, emotional, majestico...
Dark/ Epic/ Majestic/ Death/ Black Metal. Os textos tem que ser nobres e lúgubres, como este da banda Songe D’Enfer... Na música há um aspecto emocional, muito forte, isso deve ser seguido com textos majesticos e trevosos... Isso mesmo pode ser o fundo filosófico da banda... Na música há muitos sentidos, nas palavras também. Há várias possibilidades de apreciar a música e os textos, tudo depende do estado de espírito que te acontece. Se está com boa “osmoses” como espírito lúgubre da banda pode, “viajar” no mundo virtual deles... Um mundo tão obscuro.

  • Particularmente no cenário Belga como você o avalia hoje? O que pode dizer-nos a respeito de sua cena? Existem novas bandas que estão a lhe despertar grande interesse?

X - C.S.: A cena belga é em meu aspecto muito diversificada, e há todos estilos de metal que pode se imaginar, por falar de emocional: Celebrante, Cryptical Realm, Godless Ophidian, Satirus, Cantar, Oblivium, The Darkenning, Moribund... Essas Bandas tocam um Metal Majestico, Emocional, Épico...
Há os deuses Ancient Rites, Enthroned, Avatar, Infernal Beauty, Eclíptica (de volta com novo material). Sphaenum toca uma Black Metal muito frio como os Faustian Moon, When Autmn Ended também tocam Majestic Black Metal. Se realmente queres visitar muitos sítios das bandas belgas, vê la Lugburz...
Raw Black Metal?? Existe, e tens que ouvir o novo Enthroned, o novo Lugubrum... estão neste espírito... Mórbido, trevoso, brutal, raw, and unlight.

  • Falando em cenários, vamos falar de brasileiros. Como foi o trabalho com bandas como In Memorian, Malkuth, Zoltar, etc? Você antes de trabalhar com elas você já conhecia seus trabalhos?

XI - C.S.: A cena brasileira, isso é muito bom, também gosto muito de Songe D’Enfer.Miasthenia, Angel of Light, Defacer, Monasterium, Eternal Solitude, Eternal Sorrow, Gradus Pentalphae, Arkon Ton Daimonium, Intelectual Moment, Martyr... e de Brutal Death / Trash Metal como Krisium, Ancestor, Rebaellium, Unearthly, Zoltar, In Memorian, Ancestral Malediction, Mortal Profecia, Zalthu... Porra, há muitas bandas no meio...
Sanatório, Bestial War, Strangulation.
Estas bandas como In Memorian e Malkuth foi o Patrick da Sound Riot que me pediu para fazer.
Do Zoltar o Nuno impressionado pediu-me para fazer um logotipo pela sua banda... Sabes, há muitas bandas como: Dark Celebration, Posthumous, Great Vast Forest... Supreme Majestic Metal Rules Forever!
Mesma coisa, nunca ouvi as bandas antes de desenhar os logotipos.

  • Sabemos que é um grande apreciador de musica extrema underground brasileira, o que lhe chamou atenção em nossa música? A sonoridade brasileira tem um algo especial que dá um diferencial?

XII - C.S.: Com certeza!!! Eu já cenheço muitas bandas do teu país que já mencionei acima, mas me faltam que queria experimentar, sabes Intelectual Moment, Sunrise, Necropsia, Atropina, M-26, C-56, Chacina, Predator, Besthymator, As Vampiric Shades, Spell Forest, Crucial, Tenebrario...
A sonoridade brasileira, eu acho, que quando se tem a ouvir bandas lendárias do cenário antigo, tem a ver com uma sonoridade típica como: Vulcano, Sarcófago, Genocídio, Mutilator, Angra (sim esta banda maravilhosa de Heavy Metal... simplesmente magnífico Heavy Metal!!), velho Sepultura, Headhunter DC, Pentacrostic. Mesmo os filhos Krisium, Blessed/ Rebaellium, Scrupulous, Corpse Grind, Zoltar, Funeratus, Embalmed, Fornication em Brutal Death. Mortal Profecia um velho Death Metal uma banda que gosto muito!!! Também no Black Metal Emocional existe uma sonoridade de tocar lento, obscuro, trevoso, como as bandas que já mencionei, Arkon Ton Daimonion, Gradus Pentalphae, Govanon, Songe D’Enfer, Mysteriis, Miasthenia, Great Vast Forest, Dark Celebration, Defacer, Imperial Lucyfer, Behalf Fiend, Tenebrario, Guehenon, Eternal Sorrow, Posthumous, Nospheratus, Might, Mausoleum (Godssssssssss!!!)

  • Finalisando, quais os planos do Christophe Szpajdel para esse ano que se inicia? Algum novo projeto que gostaria de comentar?

XIII - C.S.: Eu tenho muitos projetos no futuro, antes queria dizer que pelo ano 2000 eu vou viajar muito, ainda não sei mas eu queria ir ao Brasil ainda este ano. Queira visitar todos os meus correspondentes, você Renato, Mysteriis, Great Vast Forest, Morcrof, Queiron, Dark Celebration, Unholy Massacre. Queria lançar o Devil’s Elixir e fazer um novo projeto Dark/ Emotional/ Symphonic/ Epic/ Majestic Metal, vai ser uma fanzine em K-7 ainda não sei, pois queira fazer uma projeto hyper speed/ old school Death/ Trash Metal, mas eu não tenho de fazer uma banda, tenho muitos logotipos que fazer e... procurar um emprego...

  • Agradeço imensamente pela grande oportunidade, e deixamos aberto o espaço para algum esclarecimento final. Obrigado!!!

XIV - C.S.: Muito obrigado pela tua entrevista, as pergunta foram muito complicadas. Queria também dizer uma coisa importante, contacte-me só via e-mail: szpajdelchr@hotmail.com Viajo muito e não tenho tempo para fazer outras coisas, tantas que não consigo dizer. Só o tempo vai dizer o que vai acontecer. Time Shall Tell.
Todas bandas que precisam de um logotipo (todos estilos de metal... Emotional/ Epic/ Majestic/ Brutal/ Black/ Death/ Trash!!!) podem escrever, mas uma coisa não quero perder o meu precioso tempo com modistas e mercenários. Verdadeiras Bandas NÃO FALTEM!!!

Valid XHTML 1.0 Strict © Poeticus Severus - 2004/2012 e.v. por Cesar Severus portifólio